Analise de Risco

Para o bom dimensionamento de uma apólice é muito importante entender o que está sendo segurado.

A análise de risco permite identificar as áreas suscetíveis a catástrofes e qualquer outro item que possa gerar prejuízo material ou pessoal.

  •  Proteção Patrimonial
  •  Mapeamento de risco
  •  Alocação de coberturas
  •  Dimensionamento de valores

A cotação de seguro, independentemente da sua modalidade, pode variar de acordo com uma série de razões. Uma das principais, e que mais interferem nas mudanças de valores está relacionada ao perfil do futuro contratante. Esse fator é denominado “análise de risco” e é de fundamental importância para a empresa de seguros na avaliação de valores de apólices. Entenda mais sobre o que é, como funciona e descubra como a “análise de risco” pode interferir diretamente na contratação de cada tipo de seguro.

 

O que é análise de risco?

A análise de risco é uma avaliação utilizada pelas seguradoras para verificar a quais riscos o contratante está se expondo constantemente, seja por meio de seus hábitos, condições financeiras, características pessoais, entre outras questões.

 

Como funciona?

Basicamente, ao realizar a cotação em uma corretora, a pessoa responderá a um questionário simples, que conterá algumas perguntas como:

 

  • qual a sua faixa etária?
  • qual o seu estado civil?
  • já teve problemas de saúde?
  • possui problemas crônicos de saúde?
  • familiares possuem problemas de saúde crônicos que sejam hereditários?
  • qual a sua profissão?
  • qual o seu rendimento mensal?
  • há quanto tempo está em seu emprego?
  • possui carteira nacional de habilitação? Há quanto tempo?
  • qual o modelo do seu veículo?

Essas perguntas poderão variar de acordo com o tipo de seguro que está sendo cotado. Por exemplo, as questões relacionadas a veículos, provavelmente aparecerão em uma solicitação de orçamento de seguro automotivo. A partir dessas respostas, o perfil é traçado e verifica-se a propensão a acionar o seguro recorrentemente. Esse é um fator primordial para o encarecimento do valor da apólice.

 

Quais os principais aspectos utilizados para determinar risco?

Agora que você sabe o que é análise de riscos e como ela funciona, é importante conhecer quais são os principais aspectos considerados para determinar o risco que a pessoa está exposta. São eles:

 

  • idade;
  • estilo de vida;
  • estado civil;
  • profissão;
  • renda média;
  • hábitos prejudiciais à saúde;
  • tempo de habilitação;
  • características do bem ou patrimônio que será assegurado;
  • se a pessoa tem filhos ou não;
  • local de moradia, entre outros.
  • Como esses fatores interferem nos diferentes tipos de seguros?

Muitos desses fatores podem ser positivos para um determinado tipo de seguro e negativo para outros. Um exemplo claro é o fator idade no seguro automotivo e o de vida.

 

No primeiro caso, pessoas mais velhas tendem a ser menos impulsivas e mais prudentes, portanto, os riscos de acidentes causados por imprudência são menores. Sendo assim, o valor da apólice pode ser menor, já que há menos chances de acionamento da seguradora recorrentemente. Já no segundo, uma pessoa com idade avançada possui mais problemas de saúde e, portanto, mais chances de ocorrer o pagamento do seguro precocemente, aumentando o valor da apólice.

 

Essa relação ocorre em todos os tipos de seguro: quanto mais o fator aumentar o risco de exposição da pessoa a questões de insegurança, mais caro será o valor a ser pago pelo contratante.

 

Outro exemplo simples para ilustrar essa situação está relacionado com o local de moradia para seguros de bens (imóvel e frotas, por exemplo). Se a pessoa ou a empresa está localizada em um ambiente de alto índice de criminalidade, há maiores chances de furtos e roubos e, com isso, o valor final pode encarecer.

 

Identificar esses fatores é importante pois eles são determinantes na formação do valor final do seguro.